Busca
ENQUETE Você acha que a transmissão de radio deve ser cobrada pelo cruzeiro?
  • Sim
  • Não
  • Somente para Radio Itatiaia




30 06 08
Resenha do Mixa -Cruzeiro1x1Sao Paulo
Tabu mantido

Mais um jogo com o São Paulo no Mineirão, e mais um ano sem vitória.

O Cruzeiro jogou bem, com objetivo claro de vencer, tomando a iniciativa
do jogo por todo o primeiro tempo. O São Paulo se limitava a defender desde
o minuto zero, incrível, e por pouco não levou mais do que um gol no primeiro
tempo.

O lado esquerdo da defesa do São Paulo mostrava alguma fragilidade e o time
azul explorava bem aquele setor com jogadas de velocidade. O gol saiu em
uma delas em cruzamento de Jonathan pela direita, e conclusão de Guilherme,
dentro da área, em chute rasteiro, desviado em um dos defensores paulistas
à frente de Rogério, que nada pode fazer.

Acabou o primeiro tempo, e 1x0 foi pouco pelo tanto que o Cruzeiro construiu.
Curioso, é que dava impressão, que à partir disso, o time da casa poderia
devolver a estratégia de receber o impulso do adversário, já que com a vantagem
no placar, não precisaria de tanta iniciativa, e poderia explorar os contra-ataques
na necessidade do São Paulo reverter a desvantagem.

Mas não deu tempo! Em menos de um minuto o Cruzeiro já levava o gol, em jogada
rápida de ataque dentro da área azul, drible de corpo no defensor, e bola
no fundo do gol.

À partir daí, desespero pouco é bobagem. O time da casa voltara para a estaca
zero, tendo de volta toda a dificuldade que teve no primeiro tempo para fazer
seu gol, agravada pela pressão psicológica do baque sofrido com o revés,
e também pelo descontentamento da torcida após cada erro cometido.

Como se tudo isso não bastasse, a cereja do bolo veio com a mexida do treinador:
Saca o único centro-avante de ofício do time, Weldon, para entrada de mais
um meia, na vã e já experimentada e frustrada tentativa de colocar Wágner
no ataque.

Essa estória a gente já viu. Tudo do mesmo jeito, o mesmo filme. Wágner não
funciona no ataque (alguém avise o treinador, urgente!), o adversário sente
a ineficiência e parte pra cima (lembram do jogo do Palmeiras?), e o Cruzeiro
que jogava no Mineirão, parecia jogar no Morumbi, tamanha era a pressão do
São Paulo, que só não saiu com a vitória por conta de uma defesa espetacular
e salvadora de Fábio.

Tem coisas no futebol que a gente não entende. Como pode um ótimo profissional
como o treinador Adílson, que possui tantas qualidades na maioria das variantes
do ofício de treinador, e se diz estudioso do seu time e dos adversários,
não conseguir enxergar que suas alterações na postura tática do time tem
sido INEFICIENTES, para não se dizer equivocadas?

Equívoco na alteração é um conceito muito subjetivo e levaria a várias especulações,
mas a ineficiência é um resultado concreto, que se vê com clareza, aonde
os efeitos estão sendo contrários às pretensões.

Isso, o Adílson que é uma pessoa inteligente tem que enxergar, a despeito
de sua convicção em teses pessoais. Fato é que nos principais jogos em que
o Cruzeiro precisou de uma alteração que lhe desse mais ofensividade, o que
se viu foi justamente o contrário.

Não seria apologia à ousadia, que a despeito de defendê-la, faz parte da
decisão pessoal do treinador, mas da manutenção do padrão do time no momento
em que mais se precisa de agredir o adversário.

Nos jogos com Palmeiras, e agora com o São Paulo, o que se viu, após as alterações,
foi a impressão de o Cruzeiro temer o adversário, e isso qualquer torcedor
não perdoa. Adílson tem que enxergar isso a tempo de evitar a sua degola,
já que está preparando aos poucos a sua forca com suas próprias ações.

Convicção é bom, mas inteligência mais ainda. Adílson não é burro como entoa
a torcida a cada alteração questionável no time, mas tem que aprender a conter
o ímpeto das investidas do torcedor contra ele, ainda que transpondo suas
convicções pessoais em momentos chaves, já que está trazendo a torcida contra
ele. Ontem, se ao sacar Weldon, se recolocasse outro avante, como o Reinaldo
alagoano, ainda que perdesse o jogo, a torcida não o ofenderia em coro como
ocorrido. Onde estaria Jajá ou Camilo naquela hipótese, já que nem o banco
compunham?

Enfim, não é o caso de pedir a cabeça do treinador, como muitos já fazem,
mas é o caso de ele próprio usá-la em seu proveito pessoal, eis que já começa
a ser rotulado como retranqueiro (ontem foi comparado aos berros a Marco
Aurélio, o mestre da retranca, por um torcedor esbravejado a meu lado!),
e provocando ira na torcida, que justamente ou não, não aceita o Cruzeiro,
na condição de time grande, jogar com tanto temor ao adversário, como times
de pouca expressão, agravado por atuar em seus próprios domínios.

Que Adílson enxergue o jogo por outra ótica, além da técnica e de suas convicções
pessoais, antes que seja tarde demais! Torço pra que isso aconteça, já que
o apóio acima de tudo, embora jamais de covardia.





(8) Comentários > Comentar