Busca
ENQUETE Você acha que a transmissão de radio deve ser cobrada pelo cruzeiro?
  • Sim
  • Não
  • Somente para Radio Itatiaia




13 06 08
Resenha do Mixa - CruzeiroxPalmeiras
VEXAME HISTÓRICO ? parte 2

Mais um vexame do Cruzeiro.

Pouco mais de dois meses após o vexame de Potosi, o time leva outra goleada,
em outro jogo bizonho.

Ocorre, que o vexame de hoje, não se limitou ao elástico do placar, mas à
forma como as coisas aconteceram e poderiam ter acontecido.

Há muito se tem defendido o treinador aqui nesse espaço, e vamos continuar
defendendo, já que muitas são as suas qualidades, representadas não só pelos
números que ostenta, mas também pelo espírito de luta, entrega, e comprometimento
passado por ele a seus comandados.

Viu-se muito exagero em críticas despropositadas em ocasiões passadas, com
as quais não se pode concordar. Por outro lado, ele não é imune de críticas,
e ontem, na avaliação que foi feita, seus erros foram determinantes pela
goleada.

Não pela escalação do time, ou pelo erro infantil do zagueiro no lance da
penalidade. O que mais causou perplexidade foi a sua atitude diante das adversidades
que foram ocorrendo ao longo da partida.

O time entrou bem, começou comandando o jogo e abrindo o placar em lance
de penalidade máxima convertida por Guilherme. Antes disso já tinha conseguido
boas chances de ataque, e Marcinho estava muito bem na frente.

O jogo seguia 1x0 e o Cruzeiro dava impressão de dominar a partida, controlando
bem as ações do Palmeiras, e triangulando as jogadas de ataque, até o lance
capital do jogo. O Palmieras ataca em velocidade com Valdívia que avança
pela grande área, e quando se aproxima da pequena área para fazer o gol,
é derrubado por trás pelo zagueiro Tiago Martineli que fora expulso na ocasião.

O pênalti foi marcado corretamente e a expulsão da mesma forma. Infantilidade
do zagueiro em cometer a falta sabendo da regra nessa ocasião, já que era
o último jogador, e pagou o preço da regra. Fica a pergunta oposta, se ele
não tivesse feito nada, se não seria questionado pela omissão. Enfim, lance
de jogo, coisa normal.

Até acredita-se que a melhor opção de jogo seria o zagueiro Léo Fortunato,
pela qualidade e pelo físico, mas o treinador convive diariamente com seus
atletas e deve saber bem de nuanças de cada um para escolher o melhor em
campo.

Fato é que essas particularidades não são creditadas ao treinador. O que
se torna incompreensível, é o que ocorreu à partir daí. Dos 35 minutos do
primeiro tempo até o encerramento, o que se viu foi uma esmagadora pressão
do Palmeiras sobre o Cruzeiro que ficou completamente perdido em campo, e
não conseguia passar do meio-campo com a bola. O treinador foi obrigado a
sacar o atacante Marcinho momentos antes para recompor sua defesa, com a
entrada de Léo Fortunato, mas à partir daí o time não conseguiu mais jogar.

Foram quase 20 minutos de massacre. Fim do primeiro tempo e o alívio pela
permanência do empate, que já não era mais justo face a opressão imposta
pelo time verde. Mas o que a torcida não podia esperar, é o que ocorreu no
segundo tempo.

O treinador azul saca o atacante Guilherme e coloca outro volante, o contestado
Henrique. Ou seja, à partir dali, o massacre que já era fulminante, tornou-se
incontrolável, já que Luxemburgo, vendo a covardia do adversário em jogar
sem nenhum atacante, frise-se, o time passou a jogar sem nenhum jogador de
frente, mandou sua equipe mais ainda para a frente, e o que se viu à partir
de então foi uma covardia.

Com o time do Cruzeiro todo atrás e sem conseguir jogar, os gols palmeiras
foram só uma questão de tempo. Depois de tomar a virada, e o terceiro gol,
Adílson ainda sacaria Wagner, para aí sim colocar um atacante, Weldon, mais
já era muito tarde.

O que espanta, e é questionado, não são lances isolados de jogo, ou escalação
do time. O que causa muita perplexidade é o treinador, que se diz estudioso
do futebol, não fazer a leitura das causas da derrota, ou seja, de postura!

Em entrevista coletiva, ele afirma não ter errado, ter agido certo, e questionado
sobre a inexistência de atacantes quando das substituições, argumentou que
pensava fazer um gol em um ?lance esporádico?. Disse mais, que os gols se
deram em falhas individuais, e são coisas normais de jogo.

Adílson, você está enganado. Os gols tomados não foram falhas individuais.
Foram falhas coletivas, de um time que se amedontrou, se apequenou, e pretendeu
não mais jogar futebol. Quando isso ocorre, a equipe pressionada, invariavelmente
falha mesmo e sempre leva gols. Isso sim é que é coisa normal de futebol.


O que não é coisa normal de futebol é levar duas goleadas de 5 em dois meses
para equipes medianas, e elas se devem à postura tática de omissão e covardia
do time nas situações de adversidades, sempre quando atuante como visitante.

Concluindo, não dá para creditar a derrota à expulsão do zagueiro. Isso vai
acontecer ao longo do campeonato. Não se pode abdicar do futebol quando se
perde um atleta, principalmente quando seu adversário sente o cheiro do medo.

Adílson, aqui quem te critica, é um fã seu. Reconheça e aprenda com os erros,
porque mesmo com todo apoio, a se continuarem essas posturas questionáveis
quando visitante, uma hora a coisa pode se tornar insustentável. A torcida
estamos com você, mas faça uma auto reflexão da postura do time para que,
mesmo perdendo de 7, como você sugeriu, não fique a impressão de um time
covarde, e abdicou o futebol para tentar o resultado ao acaso!

Fábio não teve culpa nos gols, todos de falhas coletivas da defesa, que mesmo
com os zagueiros recompostos e os quinhentos volantes, não conseguia fazer
o time jogar. Fica a boa impressão do jogo apenas do atacante/armador Marcinho,
e do jogo discreto de Wagner e Guilherme.Que venha o Figueirense e que o
time consiga se reerguer!



(17) Comentários > Comentar