Busca
ENQUETE Você acha que a transmissão de radio deve ser cobrada pelo cruzeiro?
  • Sim
  • Não
  • Somente para Radio Itatiaia




07 04 08
Resenha do Mixa - CruzeiroxTupi
RESENHA DO MIXA

INTERNATIONAL SCORE

Após a boa vitória do time do Cruzeiro na quinta-feira pela Copa Libertadores,
o treinador não exitou em escalar o time principal para enfrentar o Tupi
na tarde deste domingo.

Mais uma vez exaltamos a postura do treinador que encara todos os desafios
do clube com muita seriedade e consciência da importância de cada um. Decisão
acertada, e premiada com resultado conquistado.

Tá certo que não foi um jogo fácil. O Cruzeiro jogou com muita determinação,
mas mais uma vez sem muita exuberância técnica ou de qualidade.

Teve maior volume de jogo nos dois tempos, e mesmo sofrendo com a implacável
marcação do adversário, até muitas das vezes violenta, não mostrou tanta
agudez e objetividade no ataque, senão a competência de sempre.

No primeiro tempo, o time jogou com aplicação tática, e cumpria à risca as
determinações de Adílson de triangulação na entrada da área adversária, usando
a velocidade de Apodi pela direita, e a ótima apresentação de Jadílson nas
avançadas pela esquerda.

O time tinha muito volume de jogo, e a regular dificuldade de entrada na
área adversária, o que acabou sendo castigado com o gol do Tupi ao fim do
primeiro tempo, nos acréscimos, em lance em que o atacante acertou forte
chute no canto do Fábio no alto, sem chance de defesa.

No segundo tempo, o time voltou determinado a conseguir o empate, e este
ponto já seria suficiente para garantir o primeiro lugar, sendo que o Cruzeiro
ainda atuaria com alguns reforços: um jogador a mais, em função da expulsão
de um marcador do Tupi, e a saída de Marcinho para entrada do Guilherme,
e a saída de Apodi para entrada de Elicarlos.

Adílson quis movimentar o ataque colocando o Guilherme no lugar de Marcinho,
o que, após o final do jogo, pode-se ver como traduzido em indiferença, já
que Guilherme agira como seu substituído: com alguma participação, mas pouca
produtividade.

Penso que ambos não produziram muito face a forte marcação do Tupi, mas atacante
tem que saber driblar essas dificuldades, e mostrar diferença nessas horas.
Os dois não foram bem, mas continuo confiando nos dois. São bons jogadores
que podem render pro time no futuro. Só não podem ser creditados como salvadores
da pátria, ou matadores diferenciados, porque hoje, estão longe de ser isso.

A entrada de Elicarlos no lugar de Apodi foi para dar mais força na lateral
direita com Marquinhos Paraná se deslocando para aquela posição, e o Eli
cobrindo o espaço de volante deixado por Marquinhos.

Gostei da alteração, e ela foi importante, dado o vigor físico e a força
com que as jogadas eram disputadas. Certamente, iam acabar machucando o Apodi,
que é muito ágil e aparentemente frágil. Penso que ele atuara de forma regular,
empregando velocidade nas jogadas, mas pecando nos cruzamentos.

A arbitragem foi criteriosa e rigorosa distribuindo muitos cartões, todos
justíssimos, e ainda assim o ritmo de força não diminuía...

O Cruzeiro empatou com muita luta num lance de cruzamento na área e cabeçada
que atingiria o travessão esquerdo do goleiro do Tupi, voltaria à pequena
área, e em ferrenha disputa pela posse, viria sobrar para o zagueiro Espinoza
para fazer o gol azul.

O Tupi ainda teve muitos bons momentos no segundo tempo, e por pouco não
marcava seus gols, não fossem ótimas intervenções de Fábio. Duas delas, podem
ser destacadas como aquela do chute forte cruzado na frente do gol em que
ele toca com a ponta dos dedos, e outra em chute à queima-roupa na entrada
da área. Com certeza, essas defesas fizeram a diferença, confirmando a ótima
temporada de Fábio que poderá ir para a Itália no meio do ano. Que vá trilhar
seu futuro, mas não sem antes conquistar a Libertadores para o maior de Minas.

E o segundo gol do Cruzeiro viria sempre da mesma forma: a incansável luta
de Moreno. Recebe a bola disputada na entrada da área, e acerto o canto certeiro
do goleiro, sem muita força, mas suficiente para entrar no cantinho... o
gol é a cara de Moreno: dedicação, comprometimento.

Os meus destaques positivos do jogo são o goleiro Fábio, o lateral Jadílson,
com ótimas jogadas e opções de enfrentamento por seu lado, Wagner, e a sempre
presença incansável de Marcelo Moreno.

Se fosse pra escolher o melhor, ficaria com Marcelo Moreno, por tudo que
ele representa ao time. Seu comprometimento com a partida é algo extraordinário,
e contamina todo o time, como parece ocorrer com Wagner, que alternava bons
e maus momentos em jogos passados.

Deu gosto ver o Wagner hoje, ainda sem a exuberância técnica e muita produtividade,
tomar gosto pela voluntariedade de Moreno, e aparecer o jogo inteiro. Por
pouco não faz um golaço, em ataque pela esquerda em que acertou o travessão,
e que poderia acionar Guilherme livre no meio da área.

O destaque negativo vai por conta de Guilherme. Não que tenha ido tão mal.
De fato não foi bem, mas o destaque vai por conta de tudo que se pode esperar
dele, já que tem enorme potencial. Não vou crucificar o garoto, que é bom
de bola, mas ele tem que mostrar que quer fazer algo mais, mostrar que quer
ser diferente, como faz Moreno com talvez menos qualidade.

Vi um Cruzeiro determinado, mostrando poder de superação, e mesmo sem muito
brilho, buscar a vitória por todo o tempo sendo coroado com o objetivo em
lances que foram a cara do time: lutador.

Espera-se que a seqüência de jogos dê mais confiança a todo o time, como
vem fazendo a Moreno e Wagner, e dê mais liga e entrosamento àqueles jogadores
que são considerados titulares.

Que venham as semi-finais, e jogando no Parque do Sabiá, um campo quase neutro,
o time pode render mais que na Fazendinha, um estádio com dimensões acanhadas
de campo e estrutura. O Cruzeiro poderá passar com traqüilidade, se continuar
jogando com a seriedade de seu treinador.

Mixa.

(13) Comentários > Comentar